Faça o download da cartilha Consciente Coletivo

Faça o download da cartilha Consciente Coletivo
Faça o download da cartilha Consciente Coletivo

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Rede Social do Bambu


Vem aí a guitarra de bambu laminado da ABC
Em breve estará pronta a guitarra de bambu laminado colado da ABC. Ficha técnica: - Bambu laminado colado por Marco Antônio dos Reis Pereira / Dep. Eng. Mecânica UNESP - Bauru - Desenho original por MODO Design e Oficina Bambu Brasileiro - Luthieria por Gaúcho, no ateliê da WG Móveis. (discípulo… Continuar
Postado por
Bambu Brasileiro em 17 dezembro 2008 às 10:37 — 1 Comentário

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

FELIZ SOLSTÍCIO DE VERÃO!

Salve amigos da Rede Permanece!

Boto fé que esta Rede vai Permanecer, pois ao final deste ano, comemoramos as nossas reUniões em torno de fogueiras e de bioconstruções.

Grupos, indivíduos, profissionais e amadores, organizam-se e desorganizam-se sem se desunir, fazendo com que esta Rede aconteça!

Venho desejar a todos um Feliz Solstício de Verão, que foi celebrado pela Natureza (com a ajuda? do homem que classificou esse momento com este nome) no dia 21 de Dezembro de 2008. Como estamos muito próximos da Linha do Equador, não temos uma sensação de troca de estação muito significativa, embora, podemos experimentar uma sensação térmica mais elevada, um pequeno ensaio das chuvas...

Se tem uma coisa importante que a Permacultura ensina, essa coisa é a observação dos fenômenos da natureza. Com esta postagem, quero lembrar a todos para que comecem a observar o sol, a lua, as datas importantes de mudanças de ciclos, porque é importante para os trabalhos e também para nossa vida pessoal.

Abraços!
JP.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

BIOCONSTRUÇÕES X INVESTIMENTOS

Salve, salve amigos Permaculturais do Ceará, do Brasil e do Mundo!

Contextualizando para quem não está no Ceará, este diálogo se refere à recente chegada do amigos Canrobert e Vilani, empreendedores ecológicos baianos (www.ecojoaodebarro.com) , que estendem suas atividades aqui no estado do Ceará, tendo comprado uma pousada próximo à famosa praia de Jericoacoara e estão iniciando a promover cursos na área de bioconstrução e a construir a eco-pousada. É uma discussão antiga dentro da permacultura e bioconstrução, o que se refere aos custos e preços, mas é sempre bom falar sobre isso, ainda mais quando se pode falar de uma maneira educada, sem afetações, sem ressentimentos, tranquilamente, de forma sincera e transparente.

Acho importante divulgar a todos, aqui no blog da Rede Permanece, um diálogo por e-mail que aconteceu entre Canrobert e Vilani e a minha pessoa (JP), por iniciativa própria daqueles, que divulgaram em sua comunidade no orkut ( http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=34423890&tid=5277639037203358067 ) e eu apenas estendo a divulgação para que mais pessoas possam ler e que isso contribua para o nosso crescimento como Rede! Rogo pela paciência de todos para ler até o final, pois trata-se de um texto um pouco grande para ser lido no desconforto de um monitor.
Abraços a toda a Rede Permanece!
JP.

EMAIL DE JP PARA CANROBERT E VILANI:
Salve Canrobert e Vilani, Seguem as fichas de inscrição e de avaliação do curso.Mas as fichas são o de menor importância neste e-mail... O mais importante é que gostaria de agradecer a vossa cortesia, pois fiz o curso isento das taxas. Procurei facilitar o transporte do pessoal, ajudar na divulgação, que será permanente dentro da Rede Permanece. Tudo isso foi pouco e disponibilizo-me para futuras parcerias colocando minha energia em pról da realização dos seus objetivos ecológicos e sustentáveis. Lembrem-se de mim quando precisarem de soluções. Outro assunto importante que sinto necessidade de comentar com vocês e, sem sombra de dúvida, não haveria ninguém mais adequado do que vocês mesmos para que eu comentasse esse assunto, é o assunto do preço do próximo curso. Eu perguntei a Valdir como estava e ele me respondeu que até agora somente reclamações sobre o valor do curso. Isso me motivou mais ainda a escrever para vocês. Sinto-me uma criança ao expor isso, pois vocês vêm trabalhando nessa área e dando cursos na Bahia há tempos e sabem melhor do que eu como gerir esse tipo de empreendimento. Porém, na qualidade de habitante desse estado, tendo tido a oportunidade de viajar muito pelo Brasil e conhecer outras culturas, tendo noção de valores praticados em outros lugares, de quanto custa manter um empreedimento (eu tenho sítio, já fiz eventos nele e tenho noção de como é difícil a sustentabilidade econômica), tenho que dizer que o interesse nesse ramo sustentável aqui no Ceará não é tão grande e a disponibilidade de "tocar no bolso" para se chegar a ele ainda é pequena. Dentro de todo aquele povo que estava naquele evento, acho difícil alguém chegar perto do quanto eu já gastei de dinheiro buscando conhecimento. Entre cursos, estágios e voluntariados, já estive na ABRA 144, IPEMA, TIBÁ, IPEC, MARIZÁ, ECOOCA e CHÁCARA ASA BRANCA. Imaginem os custos para pagar todos os cursos e as despesas de alimentação e de transporte para ter chegado a todos esses lugares... Frequentemente tenho vontade de voltar ao sudeste ou sul, porque, digam-me vocês, com todo esse currículo e certificados de cursos, quantas oportunidades de trabalho na área de permacultura e bioconstrução eu teria aqui, vejam bem, estou falando de oportunidades, não de salário, apenas analisemos o nosso Ceará e respondamos, quantos investidores, fazendeiros ou empresários estariam interessados numa pessoa como eu para chegar e dizer assim: "tenho um projeto na área de sustentabilidade e gostaria que você participasse"? Muito poucas. Os empreendedores não enxergam a demanda, e os consumidores ainda se rendem aos menores preço e facilidades das escalas industriais do velho paradigma. Não gosto de me extender muito nos textos e o fato é que, não sei se já chegou aos ouvidos de vocês, mas o pessoal está reclamando do preço. Já haviam me reclamado do preço do outro curso, ainda R$200,00. Essa discussão sobre os preços dos cursos de permacultura e coisas afins não é nova e está chegando agora ao Ceará, justamente porque agora tem cursos. Mas eu acompanhei outras discussões Brasil afora e experimentei vários locais e preços diferentes. Posso dizer que o que falta é transparência. Quando estava no IPEC, uma jovem que reside lá falou assim: "as pessoas reclamam dos preços, mas não sabem o que a gente anda fazendo pela comunidade...", referindo-se, interpretei eu, a um repasse dos valores dos cursos para obras sociais. Eu não falei, mas pensei que é justamente por isso! As pessoas não sabem de nada! Não sabem quanto custa um quilo de feijão, não sabem quanto custa um quilo de carne, não sabem quanto custa uma diária de um pedreiro, não sabem quanto desse dinheiro vai para os custos, quanto vai para os lucros e quanto vai para o social... Não sabem de nada! Parte da culpa é dos organizadores que não divulgam esses valores! Na minha opinião, ainda dentro do velho paradigma do comércio, de ocultar os preços de compra e os lucros, para poder ter uma margem de especulação no seu preço. Comércio é assim mesmo e eu, particularmente, não vejo crime nenhum nisso. Porém quando se entra nesse ramo de sustentabilidade, muitos conceitos se misturam, confundem-se, fica gente dizendo que esses cursos deviam ser de graça, talvez misturando na suas mentes os conceitos bíblicos das coisas de Deus para a salvação do planeta com as técnicas sustentáveis que dizem que vão salvar o planeta, porém não é por aí, não existe nada de graça. Tudo custa e não necessariamente custa dinheiro. Custa tempo, custa trabalho, e alguma pessoa vai fazer isso e essa pessoa precisa também ter tempo e trabalho e precisa também comer, viajar, alimentar-se e, para isso, geralmente precisa-se de dinheiro. E tudo isso acho que as pessoas não sabem. Mesmo com toda a polêmica, lugares como o IPEC, TIBÁ e IPEMA(que ainda é barato comparado aos dois primeiros) estão satisfeitos com os seus cursos lotados, cobrando o preço que querem, mas lá existe a grande demanda! Toda a demanda do sul e sudeste! Não digo que vocês devem abaixar os preços... Pode não ser a melhor solução. Creio que se aumentaram é porque os custos pra vocês estão pesados. Falei muita coisa e não dei um direcionamento prático... Acredito que o que falta, que gostaria de ver alguém tomar essa atitude inédita no Brasil, é a transparência absoluta das finanças. Será que estou enganado ou faria muita diferença se as pessoas vissem um orçamento de um curso de bioconstrução? A alimentação, as diárias da equipe de apoio, os fretes do material e, por que não, os lucros, os ganhos do facilitador, porque está ali passando o seu conhecimento, cuidando do seu empreendimento, investiu e investe o seu tempo na aquisição de mais experiência para passar para os outros e merece ter a sua gratificação em dinheiro. O custo do curso poderia baixar bastante caso vocês fizessem um modelo cooperativo, um modelo de construção conjunta, com todo mundo sabendo dos gastos, participando da organização, revezando-se na preparação dos alimentos, na limpeza, fazendo cotas da alimentação e das despesas do empreendimento e também fazendo cotas dos lucros, do pagamento do facilitador. Se essa dica não foi boa, tenho outra observação mais comercial, que é um gasto em cartazes, panfletos, distribuição massiva em universidades, escolas, conselhos profissionais de engenheiros, arquitetos, professores, cientistas em geral, uma visita pessoal de vocês a pessoas com bastante inserção social, visitas a diretores de escolas para grupos de estudantes, visitas a agências de viagem (esse curso pode ser perfeitamente transformado em um pacote e vendido até em outras capitais), conheço agências que fazem ecoturismo e que creio que fechariam ótimas parcerias com vocês. Espero não ter sido inconveniente, pois é uma sensação horrível quando você está dedicado a um trabalho e uma pessoa de fora vem, de forma não muito agradável, criticar e dizer para que você faça isso ou aquilo. Eu já passei por isso e tem que se respirar fundo pra não ser grosseiro. Espero ter feito as observações e sugestões de uma maneira correta e educada para que não provoque esse efeito em nenhum de vocês. Torço para que o empreendimento de vocês dê certo e que esse pioneirismo seja um sucesso, encorajando outros a começarem e serem sucesso e incorporar isso na nossa cultura como norma. Grande abraço,JP.

RÉPLICA DE CANROBERT E VILANI
João Paulo, Saudações, Compreendemos e aceitamos suas percepções e considerações acerca das bioconstruções. Sem dúvidas, você é um grande companheiro e já percorreu caminhos e trilhas, e o respeitamos por toda essa caminhada. Entretanto, sabemos das dificuldades encontradas, incluindo-se essa questão tão bem abordada por você, quanto aos investimentos realizados nas capacitações de bioconstruções. Considerando os custos diretos e indiretos além da disponibilidade do facilitador (processos de trabalho), podemos considerar que os ganhos são tangíveis, na medida que construimos uma unidade ecológica ( em várias etapas), que poderia também ser construida até com custo menor, caso não fosse espaço de construção coletiva...(torna-se laboratório) tivemos essa experiência na João de Barro. Entretanto, a busca pelos resultados intangíveis, na criação de uma rede de bioconstrutores sobrepõe-se aos demais. Mas, o que temos observado é que muitos alunos, mesmos os profissionais das áreas de arquitetura e engenharia, depois dos cursos e oficinas, apesar de possuirem competências necessárias para o desenvolvimento de trabalhos nessa área, não o fazem! Isso tem contribuido para um sistema de crenças, baseado em idéias ingênuas, românticas e de "movimentos alternativos". Na realidade, precisamos "assumir" que são projetos coerentes, viáveis e factíveis, e para isso, requerem também investimentos na formação de pessoas para dar legitimidade. Não é "brincadeira de gente grande". O valor para o próximo Curso, com base nos custos do anterior, e levando-se em consideração os ganhos intangíveis,assim como a melhoria do espaço e da disponibilidade de alimentos, e outros recursos indiretos, no período de 28 a 30 de dezembro, com acomodação apenas em barracas será de R$ 300,00 trezentos reais- R$ 100,00/dia ( o que significa 25,00/dia/ pessoa/alimentação + material construção + pessoal de apoio+ combustível +trabalhadores+ passagens e despesas de viagem do facilitador(ainda estamos morando na Bahia) e outras que se façam necessárias para assegurar a realização do evento. Gostamos da sua sugestão de discutirmos em nossos cursos, a viabilidade financeira dos cursos de bioconstruções. Quanto custa estarmos ali, afinal vivemos mesmo na "lógica do capital". Não é mesmo? Vale Quanto Pesa??? Ou não vale? No curso anterior, tivemos 21 alunos pagantes,
16 a R$ 250,00
05 a R$ 200,00
12 de cortesia.
Você conhece alguma instituição que ofereça tantas vagas de cortesia para a formação da rede de bioconstruções? E os pagantes foram os financiadores dos não pagantes. Não é rede solidária? E percebemos que apesar dos nossos esforços a "qualidade do nosso atendimento" não correspondeu às expectativas. E contamos com pouca oferta de ajuda, com exceção de alguns companheiros, que em alguns momentos ajudaram na limpeza da louça. Por isso, também identificamos a necessidade de dispormos de mais pessoas de apoio mais qualificadas e de outros recursos, para oferecermos serviço de hotelaria nos próximos eventos. Assim, optamos para o próximo Curso, acolhermos um menor número de pessoas e prestarmos melhores serviços. Você será sempre bem vindo!! abraços Vilani e Canrobert
P.S estamos encaminhando também este mail para Valdir e Fernanda, no sentido de socializar as demandas dos nossos parceiros aí no Ceará.

TRÉPLICA DE JP
É isso aí amigos, por isso mesmo eu acho que isso TEM QUE SER DIVULGADO, porque no Brasil DIFICILMENTE você encontra um curso dessa qualidade com esse preço e essas vagas de cortesia nesse número. Por isso eu sou da opinião que o pessoal tem que saber o quanto custam as coisas e o que foi feito e quanto está se pagando por aí a fora. Eu sou testemunha. Com todos os esforços, com toda a intenção de se formar a rede solidária, no fim das contas, todos vão ser julgados e analisados como se fossem clientes x prestadores de serviços. Isso precisa ser conversado nos momentos das palestras, porque a gente vem viciado nesse modelo. E a lógica do capital é real, é o nosso dia-a-dia e o mínimo (e talvez o máximo) que a gente pode fazer é trazer isso para o diálogo, para fazer um processo de conscientização dentro do evento. Eu sugiro, e para isso podem contar comigo para o corpo-a-corpo, uma diversificação na divulgação. Talvez eu já esteja desatualizado, mas tem-se divulgado somente no meio "alternativo", que são os nossos conhecidos e amigos e amigos de amigos. Se tiver um material de divulgação, posso começar a visitar outras "freguesias", pessoalmente, mostrando as fotos, os cartazes, o facilitador... As vagas de cortesia... Por que não oferecer algumas vagas para agentes de viagem e guias de turismo, líderes de movimentos sociais, coordenadores e diretores de escolas, professores universitários (tinha que convidar o Marcondes da arquitetura e o Ronaldo bioconstrutor, aqueles que estavam a seu lado na mesa na palestra prévia do curso lá na Uece), e todas as pessoas que serão formadores de opiniões e poderão trazer mais gente no futuro. Dentro dessas cortesias, as vagas sociais, para pessoas da comunidade, de associações locais. Estou sugerindo e estou pronto pra botar em prática. Querendo é só falar! Abração!JP.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Encontro Permacultural Natal-Fortaleza


Por ocasião de uma viagem à Natal, fiz questão de fazer contato com algumas pessoas que estão movimentando a Permacultura no estado do Rio Grande do Norte. Na foto, da esquerda para a direita, estão: Gustavo, JP (eu) e Milena. A foto foi tirada no local onde está acontecendo uma grande mobilização por parte dos moradores do bairro Capim Macio para que não seja derrubada uma mata de aproximadamente 3,5 hectares. A prefeitura quer construir uma lagoa de captação para drenagem do bairro, obra tida pelos ambientalistas como fracasso certo e estes clamam pela discussão de uma solução mais inteligente para que haja drenagem e que seja preservada a mata (http://tiagoprates.wordpress.com/2008/11/22/moradores-promovem-evento-em-capim-macio/ & http://grito-verde.blogspot.com/2008/11/mineiro-participa-de-reunio-sobre.html & http://sosnatal.blogspot.com/2008/11/convite-domingo-no-bosque-capim-macio.html). Através da adesão de vários moradores, estão conseguindo segurar o poder público e a empreiteira contratada para realizar o serviço. Milena Sampaio é arquiteta, estudiosa e entusiasta da arquitetura sustentável e demonstra grande poder de mobilização social. Gustavo Brant é aluno de Ecologia - UFRN e está criando com alguns amigos o NUPE - Núcleo de Permacultura da UFRN. O núcleo já atua com educação ambiental (http://www.ecologicoser.blogspot.com/). Para os moradores de Natal e de todo o estado do Rio Grande do Norte é uma honra poder contar com pessoas como Gustavo e Milena. Do nosso rápido encontro restaram as belas lembranças do grande coleguismo e cortesia oferecidos à minha pessoa e princípios de um diálogo sobre uma maior interação num futuro não tão distante. Esta é uma das ações importantes para a maior interação permacultural da região nordeste.

Contatos:

Gustavo - aspessoasmudam@gmail.com

Milena - milenasampaio@hotmail.com


quinta-feira, 6 de novembro de 2008

VERDE QUE TE QUERO VERDE



VERDE QUE TE QUERO VERDE


Centro de Alfabetização Ecológica .

Cursos e Vivências em Educação Ambiental.

  • Cursos para Crianças, Jovens e Adultos : Jardinagem ; Horta Orgânica; Árvores Brasileiras; Árvores Nativas do Semi-Árido; Montagem de Viveiros; Fauna e Flora da Caatinga; Reciclagem de Materiais; entre outros. Visitas Supervisionadas.
  • Cursos para Professores: Agendas Especiais

Coordenação Geral: Associação Arte Conjunta
Coordenação Educação Ambiental: Clesley Tavares
Coordenação Técnica: Pedro Torquato (Biólogo) e Hugo Serafim (Engh Agro).

INFORMAÇÕES: terradestrelas@hotmail.com / (85) 32464160

II CURSO ARQUITETURA VERNACULAR - Bioconstruções




II CURSO ARQUITETURA VERNACULAR - Bioconstruções
13 a 16 de Novembro de 2008 em Jijoca de Jericiacoara - Ceará

Canrobert Almeida (Bioconstrutor Ecofazenda João de Barro - Bahia)
NEPPSA (Núcleo de Estudos e Práticas em Permacultura do Semi-Árido - UECE - Ceará)

Tecnicas de:
Cordwood, Strawbale, COB, Taipa Telada, Taipa Ensacada, Super Adobe, Adobe, Yurts.

Acomodações & Camping:
Ecopousada em Jijoca com apartamentos e espaço para camping

Valores e formas de pagamento:
R$ 250,00 - para alojamento na Ecopousada
R$ 200,00 - camping
Em até duas vezes (1 + 30 dias)
Inscrições até o dia 05 de Novembro. 30 vagas.
31 horas/aula

Palestras, Vídeos, Oficinas, Hospedagem e Alimentação inclusos no valor da isncrição.

Depósito na conta:

Ag. 4278 – 1
c/c 690746 - 6
Banco do Brasil
Maria Vilani Madeiro

Importante:
1. Enviar e-mail para confirmar vaga. As vagas só serão reservadas mediante o compovante de pagamento enviado via e-mail, bem como preenchimento da ficha de inscrição.
2. Se tiver interesse em fretamento de um carro coletivo para translado FOR - JIJOCA - FOR favor informarmos uma turma.
3.Qualquer dúvida entrar em contato com:

Fernanda Freire (fernanda.de.lotus@gmail.com) - 085.9904.0624 / 8754.6327
Valdir (valdirmessejana@hotmail.com)
Informações sobre transporte até Jijoca, falar com JP:

Favor divulgar para os amigos interessados!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Por que cultivar bambu? Entenda no livro BAMBU DE CORPO E ALMA

De Marco Antonio dos Reis Pereira e Antonio Ludovico Beraldo com a colaboração de Betty Feffer. 235 páginas - brochura - 112 fotos preto e branco
Histórico, espécies, propagação, colheita, manejo, tratamento, aplicações e até mesmo uso do bambu em processos terapêuticos são alguns dos temas deste livro! O livro ainda traz dados das pesquisas realizadas pelos próprios autores, no que diz respeito à produção e ao uso em construção, além de um CD com 1500 imagens!

1. Características gerais do bambu
Histórico; introdução; espécies, morfologia; anatomia; cultivo; propagação; colheita; manejo; tratamento
2. Características químicas, físicas e mecânicas do bambu
Carac. químicas; caract. físicas e mecânicas; umidade; densidade;var dimensionais; condutibilidade térmica e resistência elétrica; compressão; tração; flexão; dureza; cisalhamento, fendilhamento e tração normal; ensaios não destrutivos
3. Aplicações do bambu
Mil usos; uso natural; uso estrutural; bambucreto; cerâmica armada com bambu; Biokreto; bambu laminado colado; chapa de partículas; bambu-resina-fibra de vidro; bambu e poliestireno; composto de bambu e borracha
4. A alma do bambu. Eutonia: Uso do bambu no processo terapêutico e pedagógico -Betty Feffer
O que é; conceitos; uso prático e impacto do bambu; porquê bambu na eutonia; técnicas; tato e contato;estudo de caso; metodologia de pesquisa; benefícios; materiais; questões em aberto
5. Internet
6. Referências

Para comprá-lo pela internet, http://www.livrariatapioca.net/ !

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

CAPACITAÇÃO MAP: MULTIPLICADORES DE AGROECOLOGIA E PERMACULTURA

Compareceram à reunião de seleção para a capacitação mais de 50 pessoas e foram selecionadas 25. O primeiro final de semana, módulo 1, será nos dias 11 e 12 de Outubro de 2008.
Você é nosso convidado para participar da 1ª Capacitação de Multiplicadores em Permacultura e Agroecologia a ser realizada pela Estação Permacultural Agroecológica.

Reunião: Dia 24 de setembro
Horário: 07:30 hs
Local: EPA – Sítio Boa Água - Aratuba

1ª Capacitação de Multiplicadores em Permacultura e Agroecologia

Carga horária: 120 horas/aula
Módulos mensais

Conteúdos:
Módulo I - Introdução à Permacultura e Agroecologia.
Módulo II - Diagnóstico Participativo.
Módulo III - Manejo Permacultural e Agroecológico da Propriedade Familiar.
Módulo IV - Técnicas Permaculturais.
Módulo V - Técnicas Agroecológicas.Módulo
VI - Planejamento Permacultural.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

REFORMULAÇÕES

Caros visitantes,
o site da Rede Permanece está sofrendo reformulações devido às mudanças na sua estrutura. Estão formando esta rede algumas instituições e está sendo preparado material gráfico renovado.
Ainda no mês de Outubro teremos tudo pronto.
Abraços a todos e agradecemos a compreensão!
Atenciosamente,
Administração do site.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

C O M U N I C A D O U R G E N T E

A Rede Permanece já é conhecida em diversos lugares do Brasil (e do mundo) por diversos permacultores atuantes no cenário nacional. Desde 01 de Junho de 2008, já recebemos mais de 2600 visitas, com uma média de 24,54 visitantes por dia. Como articulador, C O N V O C O a todos os GRUPOS DE PERMACULTURA no estado do Ceará a nos unirmos em uma REDE, traçarmos objetivos estratégicos comuns para o nosso crescimento e nos reunirmos com freqüência para revisarmos e elaborarmos NOSSAS AÇÕES. O espaço está aqui e a convocação está feita. A REDE será formada por grupos e todos terão espaço para usar as funcionalidades diversas do site para publicar suas atividades. Assim, todos ganham: OS INDIVÍDUOS, OS GRUPOS, a PERMACULTURA, o CEARÁ e o PLANETA!
escrevam para diariopermacultural@yahoo.com.br

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

BIO CONSTRUÇÃO NA UECE (ITAPERI) - NEPPSA


Uma foto dos muitos momentos do curso de bio-construção que aconteceu na UECE, campus do Itaperi, na sede do NEPPSA, em Fortaleza-CE.
O curso aconteceu nos dias 5, 6 e 7 de Setembro de 2008 e foi facilitado pelo prof. Canrobert de Almeida, da Eco-Fazenda João de Barro, em Boa Nova-BA.
A construção continua! Quem quiser saber como participar, como visitar, pode escrever para arthurcamurcacito@hotmail.com .

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Mudas de bambu (várias espécies) para vender

Dendrocalamus giganteus, Guadua angustifolia, Bambusa vulgaris, Bambusa Vulgaris vitata, Bambusa tuldoides.
Venda de mudas suspensa no momento.
Consultoria sobre plantio e utilizações do bambu:
Contato por email: fortalezabambu@gmail.com
Fones: (85) 9114 13 12 e (85) 9632 8386

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Simone Oliveira, permacultura brasileira, escreve lá da Austrália...

O texto abaixo foi escrito por Simone Oliveira, uma colega permacultora brasileira, mas residente na Austrália. Foi publicado na lista de discussão permacultura@permacultura.org.br, quando da discussão sobre cursos e preços. Gostei tanto que pedi sua autorização para publicá-lo aqui. Seguem suas palavras...

Olá a todos!
Acho muito importante que permacultores e a sociedade em geral possam ter um canal aberto como esse para discutir, expressar opiniões, visando sempre o crescimento pessoal e profissional como foco principal, pois quando aceitamos as diferenças e conseguimos evoluir, tudo aquilo que nos cerca tambem sofre uma propulsão para a melhora. E, dessa forma, podemos acreditar numa sociedade mais justa e próspera.
Vivo na Austrália há três anos e tive a oportunidade de conhecer muitos permacultores daqui, participei de várias palestras e cursos, todos pagos!!! Isso jamais fez com que os participantes desmerecessem os professores ou palestrantes. Muito pelo contrário, todos tem conhecimento de que para que eles chegassem onde estão, os instrutores tiveram que trabalhar duro, investir em suas profissões. E todo investimento tem seu custo inicial, seja tempo, dinheiro ou o que for.
Bill Mollison em seus livros jamais falou que devemos trabalhar de graça ou coisa parecida. O fato de compartilhar tem um sentido bem mais amplo. Distribuir o excedente, trocar, tudo envolve trabalho. E nesse caso tudo é pago, seja em forma de dinheiro ou qualquer outro recurso. A diferença esta na forma de se ver o consumismo, na forma de valorizar cada coisa. O próprio Bill cobra por cada PDC que leciona e acreditem, não é barato!! Quanto cada um esta disposto a pagar por uma TV nova ou um curso PDC, vai de acordo com os valores pessoais do mesmo.
Acredito que para a permacultura se tornar viável deve sim existir a troca, não importa o que seja, até mesmo dinheiro. Cabe a cada um determinar o valor que ele pode pagar pela informação que precisa receber.
É importante, sem dúvida, que possamos oferecer cursos gratuitos à comunidade carente, escolas públicas, etc... Mas até que esse dia chegue os permacultores ainda têm que gerar renda suficiente para ajudar suas próprias familias.
À nossa ética cabe saber o ponto onde você passa a gerar tal 'excedente' que lhe traz a liberdade para oferecer cursos gratuitos.

Boa semana a todos!!
Simone Oliveira.
Paisagista e Permacultora.
email: sustainable.living@hotmail.com

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

BioFach procura parceiros para espaço de Bio-Construção na feira

A BioFach, em sua 6ª Edição do Principal Evento Orgânico Internacional da América Latina, quer iniciar um espaço de Bio-Construção na feira. Para isso, está procurando parceiros para construirem um espaço demonstrativo. Para realizar, contato com Álvaro - alvarow@planetaorganico.com.br .

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

ENCONTRO PARA MOSTRA DE FOTOS PERMACULTURAIS

No dia 30 de Agosto de 2008 reuniram-se no Instituto Poliglota as pessoas que na foto estão, para acompanhar a mostra de Fotos de alguns lugares permaculturais por onde passou João Paulo. A mostra aconteceu pela metade, pois as fotos eram tantas e cada imagem rendia tantas discussões produtivas que ficou inviável pelo horário e ficou a vontade de continuar outro dia.
Pena que uma tragédia eletrônica ocorreu e todas aquelas imagens que seriam vistas posteriormente estão no cemitério de bits e bytes, em algum lugar do cosmos... :( Mas dá-se um jeito! Valeu, pessoal, pela presença e até a próxima!

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O que é Permacultura?

Permacultura é um nome de um método de design e de trabalho em ambientes habitados pelo homem, que visa a melhoria da interação entre os diversos fatores orgânicos e inorgânicos da paisagem. A palavra vem da junção de duas outras: Permanente e Cultura. Sendo a cultura também um conjunto de hábitos, a Permacultura sugere novos hábitos em relação ao meio ambiente e às pessoas, novas atitudes que permitirão aos seres humanos permanecer mais harmoniosamente no planeta.
A Permacultura foi criada nos anos 70, na Austrália, sem dúvida com a colaboração de muitas pessoas, mas sua autoria é atribuída aos australianos Bill Mollison e David Holmgren. Estes escreveram seus livros e diversos artigos durante todos esses anos, além de terem viajado muito pelo mundo dando palestras e formando novos professores de permacultura, que por sua vez já formaram tantos outros. Assim foi-se espalhando esse conhecimento e fica cada vez mais conhecido e aprovado por aqueles que o utilizam.
Para saber mais um pouco, acesse o link http://www.permear.org.br/infoteca/principios
e tenha acesso a textos sobre o assunto.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

CURSO DE BIO-CONSTRUÇÃO EM FORTALEZA (4,5,6,7 / Set)

CURSO DE CONSTRUÇÕES ECOLÓGICAS
CONVIDA-SE A TODOS PARA A PALESTRA DE ABERTURA DO CURSO DE CONSTRUÇÕES ECOLÓGICAS A SER REALIZADO NO NÚCLEO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PERMACULTURAIS DO SEMI-ÁRIDO - NEPPSA

TEMA: ARQUITETURA VERNACULAR - UM NOVO OLHAR SOBRE AS CONSTRUÇÕES

PALESTRANTES:
CANROBERT ALMEIDA - DESENVOLVE TÉCNICAS DE BIOCONSTRUÇÃO, PERMACULTURA E AGROECOLOGIA
MARCONDES ARAÚJO LIMA - COORDENADOR DO GRUPO DE CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS UFC/UNIFOR
RONALDO RODRIGUES - PERMACULTOR E BIOCONSTRUTOR

LOCAL:
AUDITÓRIO CENTRAL DA UNIV. ESTADUAL DO CEARÁ (UECE) - CAMPUS DO ITAPERI
04 DE SETEMBRO DE 2008 - 18H30

CONTATOS:
85- 8801-0010 / 3283-4080
85 - 3253-1806 / 3454-1316

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

MANIFESTO DA REDE PERMANECE

MANIFESTO DA REDE PERMANECE

A Rede de Permacultura do Ceará, denominada REDE PERMANECE, é formada por pessoas físicas e jurídicas, estabelecidas no estado do Ceará, que trabalham em prol da permacultura e de outras atividades afins, como a agroecologia, a agropecuária orgânica, a educação ambiental, a responsabilidade sócio-ambiental, o turismo sustentável, a bio-construção, entre outras. As pessoas que assinam esta declaração, comprometem-se a difundir estas idéias, assim como praticá-las, cada qual dentro das suas atividades e rotinas, e trazer suas experiências para os outros integrantes. Desta forma, espera-se que o coletivo cresça cada vez mais e que crie-se entre nós o vínculo que se costuma chamar de "a liga que nos une", o que tornará natural que surjam ações em conjunto, contando com o apoio de todo um grupo, uma complexa teia de relacionamentos que possibilitará resultados muito maiores e melhores. Aqueles que assinam estão assumindo este desafio, comprometendo-se uns com os outros e com toda a sociedade, buscando o aprimoramento pessoal, coletivo e a difusão e multiplicação das nossas idéias.

Fortaleza, 07 de Agosto de 2008.
JOÃO PAULO DUARTE DINIZ
DANIEL ARRUDA
MARCELO SINDEAUX
GLAUCINEIDE FERREIRA BRANDÃO
LAURA RIOS
PATRÍCIA MARTINS GONÇALVES
EVELINE DE ALENCAR CORDEIRO

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Primeiro PDC em Pernambuco!


A Permacultura
(Cultura-Agricultura Permanente) é o design e manutenção consciente de ecossistemas cultivados que tem a diversidade, estabilidade e harmonia dos ecossistemas naturais. É a integração equilibrada de paisagem, pessoas e tecnologias apropriadas que provêm alimentos, abrigo, energia e outras necessidades de maneira sustentável.
O curso de PDC (Curso de Permacultura Design e Consultoria) é uma excelente oportunidade para o aprofundamento da ética, e dos princípios e instrumentos que vem sendo utilizados pela permacultura como contribuição para uma vida planetária sustentável.
O PDC, será o primeiro PDC a ser realizado em Pernambuco, representando a chance de pessoas que vivem e trabalham nos Estados do Nordeste, em especial, Pernambuco, vivenciarem todo o arcabouço e o instrumental da permacultura como um marco importante para a construção de um padrão/modo de vida sustentável.

Quem deve realizar o curso?
Donos de casa, jardineiros, educadores, paisagistas, agricultores, arquitetos, urbanistas, engenheiros florestais, ecologistas, bioregionalistas, mobilizadores sociais, em fim, todos aqueles interessados em uma vida sustentável.

Sobre o lugar do curso
O curso será realizado no Sitio Nova Canaã onde já vem sendo desenvolvidos estratégias permaculturais de sobrevivência e de construção de ambientes sustentáveis há alguns anos. Este sitio imerso na pitoresca Zona Rural de Olinda na Mata Atlântica é um espaço propicio e oferece uma ampla oportunidade para a observação dos padrões naturais.

O Instrutor
O instrutor deste PDC será João Rockett, diplomado em Permacultura por Bill Mollison, é Diretor Fundador do Instituto de Permacultura e Ecovilas da Pampa – RS e Idealizador e Coordenador das Sementes Ecológicas Bionatur. Colaborando com João Rockett, estarão Chivi Marincola, Permacultora pelo Ocidental Arts Ecology Center - Califórnia – EUA e Flávio Duarte Agrônomo UFRPE – 1989.

Programa
Este curso está programado para 10 dias de intensas atividades teóricas e práticas e serão abordados em profundidade toda a ética, os princípios, estratégias de desenho para a construção de hábitats humanos economicamente viáveis ecologicamente sustentáveis.
Introdução histórico, princípios e ética
Conceitos e temas básicos, princípios dos sistemas naturais
Métodos para design sustentáveis
Padrões no mundo natural- interpretações modernas e ancestrais
Clima e micro-clima – analisis de sitio
Arvores e suas interações com o meio
Água – captação, armazenamento, reticulação, reciclagem
Solos manejo ecológico
Movimentações de terra para a sustentabilidade
Estratégias para climas de Mata Atlântica
Aqüicultura ecológica
Arquitetura Ecológica
Estratégias econômicas e legais para uma nação global alternativa
E ainda mais:
Beneficiamento de produtos agrícolas
Sistemas Agroflorestais – Implantação e manejo
Hortas Biointensivas

A Hospedagem e a alimentação
Os participantes serão alojados em casas simples e aconchegantes. Sim preferir temos lugar para acampar.
Todas as refeições são vegetarianas e deliciosa mente naturais!, preparadas pela nossa equipe usando verduras e vegetais, frutas e ervas orgânicos das nossas hortas. Mais informações serão enviadas ao ser matriculado.

Certificado e material didático
Será distribuído material bibliográfico impresso e em DVD
Um certificado com reconhecimento internacional pelo IPEP( Instituto de Permacultura e Ecovilas da Pampa -RS).

Valor do curso:
Preço para o PDC de 10 dias com alimentação e alojamento, material bibliográfico e certificado com reconhecimento internacional:
R$ 900.00 ou 3 vezes de R$ 350.00
Preço para o Curso de Introdução, com alojamnteo e alimentação para o final de semana (de sexta à tarde até domingo de noite), material didactico e certificado:
R$ 200.00

Reserve sua vaga! Este evento pode ser um passo importante de fortes mudanças na sua vida!!


Zona Rural de Olinda
Pernambuco – Brasil
sitionovacanaa@gmail.com
81-3449-2270

sábado, 26 de julho de 2008

Convite para reunião da Rede Permanece

Prezados Amigos e Amigas da Permacultura,
Gostaríamos de convidar todos a virem participar da reunião da Rede Permanece, que irá acontecer na próxima Segunda-feira (28/07) aqui no Instituto Poliglota às 19:00h. Neste encontro discutiremos os encaminhamentos práticos e novas atividades que serão realizadas pela Rede. Também tentaremos agregar novos colaboradores ou pessoas que de alguma maneira queiram contribuir. Quem, portanto tiver interesse em participar dessa organização de pessoas amigas e interessadas na transformação do mundo, junte-se a nós. Pretendemos envolver pessoas de diversas áreas, para compor um grupo com alta capacidade de atuação e pensamento. O Instituto Poliglota está utiliza seu espaço para a realização de encontros e palestras, assim como está aplicando alguns modelos de Permacultura Urbana e outros membros do grupo usam técnicas permaculturais no ambiente rural, tornando assim a nossa atividade bem diversificada e nos possibilitando embasamento teórico e prático. Atualmente o grupo se compõe de poucas pessoas, mas que já demonstram muita motivação, capacidade e competência pra seguir em frente com novas iniciativas. Venha participar e dar sua opinião, e faça parte da Rede de Permacultura do Ceará!!

Daniel Arruda
Instituto Poliglota

Permacultura e Educação Ambiental na SUA escola!

Leve a Permacultura e a Educação Ambiental para sua escola em forma de palestra e/ou aula prática.

Assuntos da palestra:
- Ecologia e meio ambiente, desenvolvimento sustentável, ecodesenvolvimento, "economias verdes", comunidades e ecovilas, associativismo, ecoturismo, turismo sustentável, agricultura ecológica, permacultura, bioconstrução, tratamento biológico de esgoto, resíduos sólidos (lixo) e reciclagem, entre outros.

Aulas práticas:
- Observação e análise do ambiente, ecoeducar através de práticas agrícolas (viveiros de plantas e canteiros eficientes e atrativos).

Entre em contato: (85) 3094-2554 - (85) 9114-1312

segunda-feira, 21 de julho de 2008

EDUCAÇÃO PERMACULTURAL NO SÍTIO BOA ÁGUA - ARATUBA-CE

EDUCAÇÃO PERMACULTURAL NO SÍTIO BOA ÁGUA – ARATUBA-CE


Após o sucesso da palestra de Purushatraya Swami, com a presença de mais de 40 pessoas, mostrando o projeto Goura Vrindávana - Comunidade, Ecologia e Sustentabilidade (http://www.goura.com.br/), com direito a delicioso coquetel preparado pelo virtuoso culinarista natural Data (85.88463125), a Rede Permanece promoveu, através de J.P. e Fernanda Freire, atividades com 18 crianças das localidades do Pai João e da Boa Água, em Aratuba-CE. Estas aconteceram nos dias 12 e 13 de Julho. Tudo aconteceu de forma muito prática e lúdica, respeitando naturalmente o nível de interesse e compreensão individuais. Havia crianças e jovens de 6 a 16 anos e foram abordados os seguintes temas:
1. Aproveitamento de espaços (verticais e horizontais).
2. Confecção de canteiros em padrões naturais.
3. Noções sobre solos.
4. Como cultivar alimentos orgânicos em casa e seus benefícios nutricionais e medicinais
5. Fomento à Fitoterapia.
6. Criação de Jardins Comestíveis.

A facilitadora Fernanda Freire é zootecnista e educadora. Membro da Rede Permanece e responsável por projetos de educação permacultural em escolas rurais no Ceará e na Bahia.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Entrevista com Fernanda Freire

Inaugurando a seção de entrevistas do blog da Rede Permanece, Fernanda Freire, zootecnista formada pela UFC, educadora, coordenadora de projetos de permacultura em escolas rurais do Ceará (Ubajara) e sul da Bahia, membro da Rede de Permacultura no Ceará.

Fernanda responde sobre a sua história como educadora permacultural e conta um pouco de suas vivências.


R.P.: Há quanto tempo você trabalha com educação?
F.F.: Trabalho com Permacultura como ferramenta de Educação Ambiental na prática desde 2005, quando estagiei numa Fazenda de Agricultura Biodinâmica em Ubajara. Eu morava em frente à Escola da Vila da Fazenda e sonhava com esta Escola tendo um sistema permacultural...

R.P.: O seu trabalho como educadora começou com a Permacultura?
F.F.: Sim, foi a Permacultura que me incentivou a ver a Educação Ambiental tendo um objetivo prático, mas já trabalhava com Agroecologa desde o início da Faculdade de Zootecnia na UFC. De alguma forma sempre estive em contato com a Educação formal, pelos divesos cursos que promovemos.

R.P.: Como a permacultura se encaixou no seu trabalho?
F.F.: Na verdade, no proprio Grupo Agroecológico da UFC descobri um Livro de Permacultura na bibioteca e a partir daí fui vendo que a Permacultura se encaixava em quaisquer campos em que se trabalhasse... Agricultura orgânica, Educação ambiental, Agroecologia, Arquitetura porque sinto que a Permacultura nada mais é que a união de todos estes contextos para a busca da sustentabilidade. Uma vez que trabalhamos as crianças como líderes que herdarão os problemas ambientais causados por nós no presente e no passado, a Permacultura vêm como propícia ferramenta para transmitir um cuidado ambiental para com o Planeta e na realidade em que elas vivem. Aprender o valor de cultivar a terra e alimentar-se com o fruto do seu aprendizado.


R.P.: Na sua opinião, existe diferença entre Educação Ambiental e Educação Permacultural? Seria a Permacultura uma especialização da primeira ou um tópico independente?
F.F.: Educação Ambiental é um termo utilizado quando se aborda o geral... Passar um conhecimento ecológico. Acho que essas sinonímias não são o mais importante e sim a ação que isso causa, os benefícios e os resultados práticos.

R.P.: Como e quando você sente a resposta do aprendizado?
F.F.: O aprendizado ambiental é percebido quando vemos as crianças se tornando monitores do Projeto, recebendo visita de outras escolas, explicando como funciona o sistema permacultural de sua Escola. Além disso, quando ouvimos os professores relatando que as aulas têm se tornado mais interessantes e melhor aproveitadas. As crianças aprendem melhor conceitos da Matemática, História, leitura e escrita na sala de aula criada ao ar livre. Também melhora a assimilação dos conceitos ecológicos de reciclagem, reaproveitamento, sáude, alimentação saudável, trabalho em equipe, arte, etc. Muitas crianças que não consumiam certas verduras, hoje dizem que além de comerem na Escola merenda orgânica porque é gostosa, estão incentivando os pais a consumirem mais estes tipos de alimentos naturais, além de perceberem que no seu quintal sempre havia aquele cantinho que aparentemente não produziria nada e que agora pode abrigar uma pequena horta domiciliar. Esse é o melhor retorno que temos pela Comunidade Escolar e em torno da Escola.

R.P.: No caso das crianças, como é a resposta dos pais e familiares? Existe um repasse do conhecimento nos lares?
F.F.: Os pais na Zona Rural demoram a perceber que a Escola pode ser um grande modificador da vida das crianças, mas com o passar do tempo eles percebem as mudanças em casa e vão conferir na Escola. Uma vez numa Escola da Bahia vi o relato da mãe sobre a filha que não se concentrava nas lições de Matemática, mas depois do Projeto realizava as atividades com muito mais atenção e afinco e que as suas notas haviam melhorado substancialmente. O repasse que promovemos é o incentivo das crianças para criarem espaços produtivos em sua casa, reciclarem seu lixo orgânico, cultivarem minhocas e os alimentos que elas gostam. Com algumas crianças isso vem dando certo.

R.P.: Qual é a sua maior motivação em continuar com esse trabalho?
F.F.: Com toda certeza é ver a melhoria da qualidade de vida destas crianças e de sua família. Tenho briho nos olhos quando uma delas chega pra mim e diz que fez canteiros em seu quintal e plantou morangos, cebolinha e coentro e que estão indo para o almoço da familia. A garantia de que estas pessoas podem ter uma Segurança Alimentar e consciência do horror que é consumirem verduras produzidas com agrotóxicos, nos faz continuar com esse Projeto em quantas Escolas forem necessárias, pois a Escola é o centralizador maior do conhecimento Ecológico que precisamos repassar para as crianças e pessoas próximas.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

PALESTRA GRATUITA "COMUNIDADE, ECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE".


A Rede Permanece e o Instituto Poliglota têm o prazer de convidar para a palestra "COMUNIDADE, ECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE EM GOURA VRINDÁVANA - PARATY-RJ", a realizar-se no dia 10 de Julho de 2008, quinta-feira, às 19h, no Instituto Poliglota (Av. Pontes Vieira – 639), em Fortaleza-CE, ministrada por Purushatraya Swami (http://www.pswami.com.br/), coordenador do projeto.
Goura Vrindávana (http://www.goura.com.br/) é uma ecovila que segue os princípios de desenvolvimento sustentável, agroecologia, vida simples, valores humanos e espiritualidade sã.
Pedimos que os interessados se inscrevam (inscrição gratuita) pelo telefone (85) 9114-1312 (Paulo) ou pelo e-mail diariopermacultural@yahoo.com.br, fornecendo um número de telefone para contato.
Após a palestra haverá comes e bebes no Café Babel, que é um espaço de confraternização dentro do Instituto.
Contamos com a sua presença!

terça-feira, 8 de julho de 2008

A importância da semente

Obra do meu amigo e permacultor de São Paulo, Gabriel Assis (assis_damas@hotmail.com).
É fácil conseguir estas caixas de madeira em supermercados. Deve-se forrar o fundo com algum material plástico e acima do plástico uma folha de jornal. Sobre o jornal, coloca-se susbstrato para as sementes. Depois de semeado, cobrir com folhas secas e regar todos os dias, sem excesso, preferencialmente de manhã cedo ou no fim da tarde. Furos no fundo plástico ajudarãm na drenagem do excesso de água.
Qualquer dúvida, podem escrever para o Gabriel!

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Evento: ECO – Lógica: vivências e artes ambientais/1ª edição

ECO – Lógica: vivências e artes ambientais/1ª edição
Data: 16 a 19 de julho
Horário: das 15 às 20 horas
Local: entre 16 a 18 de julho no auditório e salões do Instituto Aldy Mentor (www.aldymentor.org.br - Av. Antônio Sales esquina com Av. Barão de Studart - Fortaleza-CE) e no dia 19, pela manhã, no Parque Ambiental e Zoológico ECOPOINT (Lineu Machado, 593-A, Jóquei Clube).

quarta-feira, 2 de julho de 2008

O reciclador

sexta-feira, 27 de junho de 2008

domingo, 22 de junho de 2008

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

Existe uma dificuldade crucial para quem deseja separar seu lixo orgânico: para onde vou levá-lo? Nem todos tem espaço em suas casas para dar destino a todo o resíduo orgânico que produzem nem condições para estruturar uma boa compostagem. Por isso, fica aqui a proposta, para as pessoas de Fortaleza que querem separar seu lixo orgânico e não tem como manejar esse resíduo, de combinar comigo (João Paulo - diariopermacultural@yahoo.com.br), integrante da Rede Permanece, a entrega desse material, em balde de plástico ou outro recipiente onde o resíduo fique bem acondicionado, para que seja transportado para um terreno no Eusébio, onde sofrerá processo de compostagem. Esse serviço é gratuito e depende de questões de proximidade de residências e quantidade de material. Convido os interessados a entrarem em contato!

terça-feira, 17 de junho de 2008

FESTA DAS NAÇÕES

(Clique para ampliar)
Ótima opção para seu próximo sábado (21-6-08) a noite, a FESTA DAS NAÇÕES, de organização do INSTITUTO POLIGLOTA em comemoração dos seus 10 anos e dos 50 anos da sua diretora-fundadora (Betinha), acontecerá na Avenida Pessoa Anta - 142, próximo ao C. C. Dragão do Mar, a partir das 20 horas. A Rede Permanece estará presente com um stand publicitário. O ambiente será de festa, com decorações temáticas e opção de consumo de bebidas e comidas típicas de várias culturas. A entrada é franca! Atrações artísticas e muita música farão o cenário para quem quiser comemorar até o dia seguinte! Até lá!


segunda-feira, 9 de junho de 2008

INSTITUTO POLIGLOTA

A Rede Permanece conta com o apoio do Instituto Poliglota de Línguas e Culturas, conhecida escola de idiomas na Av. Pontes Vieira, 639, Fone: 3272.1433 (www.institutopoliglota.com.br), que abriu espaço para nossas reuniões, palestras e oficinas de permacultura urbana. O instituto já faz, por exemplo, separação do seu lixo, usa copos de vidro ao invés de descartáveis, mas quer fazer muito mais.

"O Instituto Poliglota além de uma escola de línguas é um lugar de encontros e realização de projetos culturais e sociais e ultimamente vem aprimorando e ampliando suas ações no campo da ecologia. Portanto, damos total apoio a iniciativa da permacultura no Ceará. Vamos sediar encontros e aplicar modelos de permacultura urbana. Disponibilizamos nossa sala de projeção, salas de aula e o Café Babel que é nosso espaço de confraternização aos amigos da permacultura. Além de dar visibilidade as iniciativas permaculturais, pois nossos alunos e professores estarão entrando em contato direto com a Permacultura urbana, O Instituto Poliglota será um veículo de divulgação das idéias e também das iniciativas fora da cidade. Convido a todos para virem conhecer o Poliglota e conversar comigo para darmos inicio a uma série de iniciativas conjuntas e articuladas entre sí. Um grande abraço"!
Daniel Arruda - Diretor Comercial - Instituto Poliglota

domingo, 25 de maio de 2008

UM BANHEIRO SECO BEM FÁCIL DE FAZER









Uma forma simples e barata de construir um banheiro seco. Por R$55,00 reais compra-se um tambor de 200 litros. Com mais um dinheirinho você compra a tampa do vaso sanitário e o cano para a chaminé (está faltando nas fotos). Depois é só desfrutar do momento de compostar suas fezes!


terça-feira, 20 de maio de 2008

ENCONTRO MICROREGIONAL METROPOLITANO DA REDE DE EDUCAÇÃO CIDADÃ



Realizado em Pacoti nos dias 16 e 17 de Maio de 2008, o evento mobilizou participantes de alguns municípios do litoral leste, de Fortaleza e do maciço de Baturité. Teve como local a Estação Ecológica de Pacoti. Fui representando a ADELIS, mostrando a Permacultura como ferramenta para a educação.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

MINHOCÁRIO DOMÉSTICO

PARCERIA MINHOCASA E REDE PERMANECE

Uso e aprovo!
A careta é por causa do sol, mas na verdade me dei muito bem com o sistema minhocasa e estou muito satisfeito! Transformaram uma idéia simples num produto de muita qualidade, inclusive muito bem assessorado pelo manual de instruções. Não é a toa que já ganharam prêmios por aí. Na última Festa das Nações em Fortaleza, evento anual do Instituto Poliglota, o Sistema Minhocasa ficou em exposição e ajudou a demonstrar os princípios da Permacultura Urbana. Parabéns a toda a equipe Minhocasa - www.minhocasa.com.br .
João Paulo - Rede Permanece

Alguns links sobre minhocário no youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=K4wbdvPPJuY

http://www.youtube.com/watch?v=pZg4Fp0hnNE&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=sZ0xrwYPJjw&feature=related

Minhocário do Rafael Barros

Venho aqui divulgar o minhocário doméstico construído pelo meu amigo e permacultor Rafael Barros (raf_barros@hotmail.com), residente em São Paulo. O minhocário foi construído quase 100% com material encontrado em caçambas de entulho. O minhocário doméstico é uma composteira e uma fábrica de húmus de minhoca, um dos melhores adubos que existem. Com um pequeno espaço e baixo custo você pode dar um nobre destino ao seu lixo orgânico doméstico (restos de comida em geral), que vai ser decomposto e digerido pelas minhocas, transformando-se em húmus. Qualquer dúvida sobre como instalar este minhocário, entrem em contato.

Obs.: Muitos perguntam sobre como fazer passo-a-passo e também sobre sistemas que vêm por aí, que já vem pré-fabricados. Eu conheço o MINHOCASA e o MINHOBOX. Colocando estes nomes no Google vocês encontrarão informações sobre eles. Porém, há mil e uma maneiras de se fabricar um minhocário. Você é que vai dizer que material vai usar e como vai fazer. Basta entender o princípio de funcionamento. Aprenda sobre compostagem e consiga matrizes de minhocas ou os seus ovos (em qualquer pacote de húmus há centenas, talvez milhares de ovos), faça a compostagem dos seus resíduos orgânicos domésticos e observe as minhocas comendo tudo no dia-a-dia. Você pode montar um minhocário em gavetas ou pode simplesmente fazer leiras, montes de composto no seu quintal! Você pode coletar o chorume (líquido escuro que escorre da matéria orgânica em decomposição) em garrafinhas ou simplesmente deixá-lo escorrer e infiltrar na terra do seu quintal! Mais importante do que saber como construir o minhocário é entender o processo e, mais importante ainda, é botar a mão no composto, submeter seu nariz ao odor da matéria orgânica em decomposição, colocar as minhocas entre os seus dedos, constatar a presença de minhocas mortas pelo chão da casa (as minhocas fogem as vezes), entre outras coisas. Abraços e bom trabalho!

quarta-feira, 14 de maio de 2008

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE TURISMO SUSTENTÁVEL - FORTALEZA, MAIO DE 2008.

Está acontecendo o SITS2008, evento importante para ajudar na discussão sobre o turismo sustentável no nosso estado. Falando de sustentabilidade, lembro-me imediatamente de permacultura. A rede está a disposição e está alerta para melhorar a qualidade do nosso turismo.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

PDC NO ECOCENTRO IPEC




Estive no ECOCENTRO IPEC fazendo meu segundo PDC (Permacultura, design e consultoria). São dez anos de trabalho no cerrado de Pirenópolis-GO. Gente amiga, atenciosa e muitos colegas nota 1000 fizeram parte daquela semana (20 a 27 de Abril/08) especial. Pretendo voltar!
Acessem http://www.ecocentro.org/ para ver mais fotos do lugar.

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Permaculturando na Escola Vila - Fortaleza - CE

Hoje o dia começou com Permacultura para as crianças do sétimo ano do ensino fundamental da Escola Vila. Elas receberam uma aula sobre a ética, os princípios e noções de design e planejamento. O motivo dessa aula é a preparação teórica para a construção de um sistema vegetal de produção de alimentos. As crianças tiveram contato com as idéias de planejamento por zonas, setores e padrões naturais. Estou ansioso para ver o que elas construirão!

domingo, 6 de abril de 2008

Oficina de Permacultura no Eusébio-CE

No dia 5 de Março de 2008 foi realizada uma oficina num sítio na cidade do Eusébio-Ce. Organizada pelo grupo Troca de Saberes e Rede Permanece, compareceram cerca de 20 pessoas, que fizeram uma aula teórica sobre os princípios e a ética da permacultura, com noções de planejamento permacultural e a construção de um quintal produtivo com círculo de bananeiras, horta em pneus e um sistema de irrigação. O círculo de bananeiras recebe as águas da pia da cozinha, enquanto que os pneus recebem as águas do "ladrão" da caixa d´água, pelo qual o excesso de água sai e é canalizado por um tubo com furinhos (por onde é feita a irrigação). Nas fotos temos o antes e o depois (ainda faltam os plantios e alguns ajustes para finalizar totalmente).

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Grupo de Estudos de Permacultura


Pessoas interessadas, entrar em contato por telefone ou por e-mail. Os dados estão no menu Contato, do lado direito da página.

segunda-feira, 31 de março de 2008

Permacultura, água, sabão e círculo de bananeiras.


Nos dias 28 e 29 de Março de 2008, foi realizada em Barreira-CE, no N.I.C. (Núcleo de Iniciativas Comunitárias), uma oficina de Permacultura, focalizando Estratégias para a Água (captação, cisternas, filtros biológicos, entre outras), com atividades práticas de círculo de bananeiras e sabão com óleo de cozinha. A oficina foi facilitada por João Paulo e pelo NEPPSA (Núcleo de Estudos e Práticas em Permacultura do Semi-Árido), na pessoa de Vitor Vital. Agradecimentos especiais ao N.I.C. e à Fundação Konrad Adenauer e, mais especiais ainda, a todos os oficinistas.
Links para saber mais:
http://www.permear.org.br/fotos/circulo-de-bananeiras
http://ultimosegundo.ig.com.br/barra_externa/externo.html?url=http://envolverde.ig.com.br/materia.php?cod=28423&edt=1